Views
1 year ago

f+h intralogistica 3/2015 (PT)

  • Text
  • Sistema
  • Sistemas
  • Empresa
  • Produtos
  • Carga
  • Clientes
  • Forma
  • Cliente
  • Guindastes
  • Transporte
f+h intralogistica 3/2015 (PT)

CAMINHÕES INDUSTRIAIS I

CAMINHÕES INDUSTRIAIS I TESTE DE EMPILHADEIRA Encontrando a empilhadeira adequada Quais critérios deve cumprir uma empilhadeira de garfos ideal para a tarefa a ser executada? Os inúmeros testes que realizamos nos últimos anos com os mais diversos veículos industriais evidenciaram um fato importante: rapidez de deslocamento e elevação não são critérios decisivos para produzir a capacidade de movimentação de carga exigida. empilhadeira ideal oferece ao motorista uma alça segura para a mão esquer- A da e, de preferência, também para a mão direita ao acessar o veículo. A referida alça deve ser de fácil acesso e oferecer apoio suficiente ao motorista – independentemente do tipo físico da pessoa. Além disso, o tirante do teto, no qual a alça está fixada, não deve obstruir o acesso do motorista e permitir suficiente liberdade de movimento aos ombros do motorista. Para acessar e sair da empilhadeira é recomendável que a mesma disponha de um degrau suficientemente largo e profundo, que possa ser visualizado claramente a partir do assento do motorista. Igualmente importante é a disponibilidade de espaço suficiente para as pernas na área de acesso, bem como os contornos arredondados da carroceria. Espaço para livre movimentação das pernas é importante no assoalho da cabine, que também deve estar livre de quaisquer obstáculos. Tudo sobre o assento do motorista Além das condições de acesso e saída do veículo, os aspectos relativos ao assento também têm um papel importante quanto ao conforto para o motorista. A posição ao sentar, por exemplo, deve ser perfeitamente ajustável à altura e peso do motorista, de maneira que este não esteja sentado nem muito alto nem muito baixo. O assento propriamente dito deve apresentar características adequadas de amortecimento, visando reduzir o impacto na região da coluna vertebral do motorista durante o trabalho. Quanto aos pedais, deve ser observado que os mesmos não estejam posicionados altos demais, evitando a contínua contração da musculatura da parte inferior das pernas do motorista. Além disso, os pedais devem apresentar uma superfície antiderrapante, permitir fácil operação e evitar que 16 f+h Intralogística

TESTE DE EMPILHADEIRA I CAMINHÕES INDUSTRIAIS o sapato direito do motorista fique preso ao mudar do pedal de aceleração para o pedal do freio. Por último, embora não menos importante, um número suficiente de compartimentos bem distribuídos e acessíveis aumentam o conforto e proporcionam espaço para guardar utensílios pessoais e de trabalho do motorista. Aspectos operacionais: volante e mastro Um elemento importante de uma empilhadeira ideal é o volante, que não deve ser nem muito grande nem muito pequeno e estar ao alcance correto do braço esquerdo do motorista, mesmo se o botão de arranque estiver localizado na posição mais afastada. Uma coluna de direção fina e progressivamente regulável na altura sempre é vantajosa. Um sistema de direção que apresenta sempre a mesma posição do volante na marcha em linha reta, torna a operação com a empilhadeira mais fácil e segura. Nossa experiência acumulada em longos anos de testes comprova que a dirigibilidade da empilhadeira deveria corresponder às expectativas do motorista da melhor maneira possível. Isso evita correções tanto ao dirigir como também na determinação da velocidade de marcha. Ao operar o mastro, é importante que as alavancas (pequenas) possam ser confortavelmente alcançadas com a mão direita. As funções ativadas do mastro devem produzir exatamente os movimentos dos garfos e do mastro que o motorista espera. Em todo caso, uma operação incorreta deve ser evitável. Visibilidade A visibilidade, a partir do assento do motorista da carga, garfo, mastro e da área de trabalho da empilhadeira sempre é um compromisso. Este fato ficou comprovado em praticamente todos os nossos testes. Assim, por exemplo, tirantes bem posicionados (e com perfil construtivo cuidadosamente concebido), reduzem a perda de visão na cabine do motorista. Um teto solar de vidro de segurança somente faz sentido se não produzir reflexo e se for possível mantê-lo limpo. A concepção dos perfis do mastro, assim como a disposição de correntes e mangueiras também contribuem para evitar perdas de visão. Além disso, dentro da área de trabalho do mastro, as pontas dos garfos devem ser bem visíveis. Outro aspecto importante é a boa visibilidade do trajeto a partir da empilhadeira. Perfis excessivamente altos do suporte de garfo prejudicam as condições de visão da carga e do garfo. Às vezes, mangueiras e conexões do deslocador lateral também restringem o campo de visão disponível na empilhadeira. A visibilidade lateral da empilhadeira é diminuída com frequência em função de tirantes largos na parte posterior do teto. Sem mencionar o tubo de saída do sistema de exaustão, localizado diretamente no campo visual ao olhar por cima do ombro direito na marcha ré. Desde vibrações até dirigibilidade Nossos testes mostram repetidamente que, além do acesso, ergonomia, operação e condições visuais, os ruídos, vibrações e trepidações tornaram-se aspectos importantes, que influenciam o bem-estar do motorista e muitas vezes constituem elementos fundamentais na tomada de decisão para aquisição do equipamento. Vibrações e trepidações sobrecarregam o motorista. Estes fenômenos, no entanto, não atingem o motorista apenas através do piso e dos pneus. Mesmo ao elevar, abaixar, frear, dirigir e posicionar a empilhadeira, o mastro transmite os movimentos para o motorista. Ou seja, quanto mais rígida é a construção do mastro e quanto melhor é o amortecimento de suas transmissões, tanto mais favoráveis são os efeitos sobre a saúde, segurança e conforto do motorista. Ao dirigir e trabalhar com a empilhadeira é importante que a mesma faça exatamente aquilo que o motorista precisa fazer. Nesse sentido, os pneus têm uma função importante. Um pneu resistente e de boa qualidade garante uma dirigibilidade mais previsível. Neste contexto não podemos deixar de mencionar a função dos sistemas de assistência, que reduzem ao mínimo as consequências de erros de operação e proporcionam maior estabilidade e segurança. Desempenho e consumo Segundo a nossa experiência em testes, fatores como forte aceleração e alta velocidade não têm importância decisiva numa empilhadeira usada de forma ideal. Muito mais importante é alcançar, por exemplo, uma velocidade média o mais favorável possível. Nesse contexto e para empilhadeiras elétricas na categoria de 2,5 toneladas, uma velocidade de aproximadamente 15 km/h é suficiente para obter excelentes resultados em nosso percurso de teste. Para equipamentos com capacidades de carga menores, considera-se uma velocidade máxima de 13 km/h e, para empilhadeiras de mastro retrátil, 12 km/h como valores de referência. Para empilhadeiras a combustão para uso externo, 17 km/h são mais que suficientes. Para todos os tipos de empilhadeiras se aplica: o deslocamento mais rápido somente traz vantagens, se os percursos a serem percorridos sem interrupções e sem cruzamentos, tiverem mais de 75 metros de comprimento. Mesmo no caso das velocidades de elevação e abaixamento, os valores médios são suficientes para produzir bons resultados. Uma velocidade de 45 a 50 cm/s tanto na elevação quanto no abaixamento são suficientes, em nossa opinião, para poder trabalhar num ritmo adequado. O efeito da velocidade média ideal se reflete especialmente no consumo de energia. Poucas correções nas respectivas funções operacionais resultam em menor consumo de energia, o mesmo ocorrendo com menos acelerações acentuadas e menos deslocamentos rápidos. Nossas medições durante os testes demonstram sempre que uma limitação da aceleração e da velocidade máxima em 70% do respectivo valor máximo não resultam em perda de produtividade significativa. Por outro lado, o ganho em função da redução no consumo de energia pode chegar até 20 por cento e proporciona uma utilização ainda mais previsível e segura do equipamento. Texto e fotos: Theo Egberts, Andersom Testing MULTIMEDIA CONTENT Archives: Learn more about the test results of Manitou‘s MI 25 G LPG forklift truck. www.bit.ly/ManitouMI25G Archives: Learn more about the test results of Nissan‘s TX3-18 electric three wheel forklift truck. www.bit.ly/NissanTX3-18 Archives: Learn more about the test results of Linde´s E25 electric four-wheel forklift truck. www.bit.ly/LindeE25 f+h Intralogística 17