Views
4 months ago

world of industries 5/2017 (PT)

world of industries 5/2017 (PT)

Possíveis aplicações

Possíveis aplicações e abordagens para o planejamento de projetos de sistemas de Veículo Guiado Automaticamente Mais e mais empresas querem automatizar seu fluxo de materiais dentro da fábrica usando sistemas de Veículo Guiado Automaticamente (AGV). Graças ao progresso na comunicação, navegação e engenharia de segurança, os AGVs podem ser usados flexivelmente e são fáceis de serem integrados em sistemas existentes. Para que tipo de aplicação um AGV é adequado e o que requer atenção num planejamento do projeto? automação em intralogística está em contínuo avanço. Os usuários querem soluções flexíveis - o que significa sistemas mo- A dulares, dimensionáveis e com a interface pronta. Além disso, deve ser possível implementar soluções no tempo mais curto possível. Os AGVs oferecem uma solução de automação econômica para muitas atribuições de transporte. Seu uso oferece inúmeras vantagens: confiabilidade, segurança de processos e um alto nível de eficiência. Eles também podem ser usados em operações mistas, com caminhões industriais ou pessoas. Os AGVs também podem ser adaptados ou expandidos sem dificuldade. Como resultado, o interesse e investimentos em AGVs cresceram significativamente nos últimos anos. Mais e mais empresas querem aderir ao potencial de otimização pela automação de seu fluxo de materiais com os AGVs. Mas quais são as aplicações certas para os AGVs? Que pré- -requisitos devem ser atendidos para o uso do AGV, o que pode ser transportado e, é necessária uma infraestrutura de TI especial? Aplicações Autor: Alexander Zeilhofer, Diretor de vendas técnicas para caminhões industriais automáticos da Jungheinrich Logistiksysteme GmbH A automação com AGVs é adequada para empresas de qualquer tamanho e para praticamente todas as indústrias. Por ser fácil de de integrar em infraestruturas existentes, um AGV pode ser usado flexivelmente em ambientes de fábricas existentes ou em novos prédios. Para determinar suas próprias necessidades, as empresas devem analisar detalhadamente o processo a ser automatizado. Os principais campos de aplicação são tarefas de transporte contínuo, CAMINHÕES INDUSTRIAIS

como o recebimento ou transporte de mercadorias da produção para o armazém, em operações de diversos turnos ou 24 horas. Os fornecedores de AGVs estão atualmente recebendo a maior parte de suas solicitações do setor de fabricação, especialmente da indústria automotiva e também de empresas nas indústrias de alimento e de embalagem. O foco aqui é no fornecimento e descarte de sistemas de montagem e produção - especialmente se os processos já forem automatizados, de forma que não haja possibilidades de lacunas na automação. Análise de necessidades Antes do planejamento detalhado do projeto começar, as empresas já devem ter registradas algumas condições operacionais iniciais, como parte de sua avaliação de necessidades. Isto inclui: n O ambiente (temperatura, pisos e etc.) n Meios auxiliares de carga e a carga n Layout com algumas origens e locais de depósitos n Volumes de transporte/matriz de transporte n Controle de pedidos Como regra geral, meios auxiliares de carregamento, padronizados e uniformes, junto com a boa distribuição e estabilidade das cargas sendo transportadas, oferecem condições favoráveis para o uso de AGVs. O armazém deve também ser bem organizado, a faixa de temperatura deve ser entre 0 e 40 °C, e os pisos devem estar em boas condições (piso industrial). O layout deve também já incluir o planejamento aproximado das rotas de deslocamento e todas as estações de coleta e suprimento (número e tipo) para a avaliação de necessidades. Outros objetos periféricos como portas de incêndio, portas de alta velocidade ou elevadores, também devem ser incluídos no layout. A razão para isso, é que espaços estreitos, rotas de mão única, portas e elevadores afetam as possíveis velocidades de deslocamento e, portanto, também os cálculos de capacidade. A largura exigida para as rotas de deslocamento depende da largura dos veículos, os quais, por sua vez, são determinados pelo tamanho, formato e peso da carga. As rotas de deslocamento necessárias para a operação de caminhões de empilhadeira, controlados manualmente, são normalmente adequadas. Para que se possa calcular a capacidade do AGV, a primeira etapa é calcular os volumes do transporte. Para fazer isso, o número de tarefas de transporte por hora, entre os pontos de coleta e transferência, já previamente registrados, é calculado ou registrado manualmente e transferido para uma matriz de transporte. Outro aspecto a considerar, é como o AGV receberá pedidos de transporte: por WMS ou sistema de controle de empilhadeira, por ERP ou PPS, através da interface da máquina ou de forma manual simples, através de um botão ou aplicativo do tablet, com visualização do sistema. Portanto, nenhum WMS ou outra infraestrutura de TI extensiva é necessário para o uso dos AGVs. Planejamento do projeto com dimensionamento de capacidade O desafio técnico no planejamento do projeto para um AGV é devido às diferentes condições no local da aplicação planejada. Assim, as empresas interessadas devem documentar suas necessidades em uma folha de especificações ou especificação de exigências. Com base nessa documentação, os veículos e as unidades de processamento de carga podem ser configurados para as tarefas de transporte individual possibilitando o trabalho com cargas, alturas de transferência e de suporte individuais, assim como a tecnologia de transporte existente. Desta maneira a comunicação sem erros entre veículos e uma área de TI e de softwares existente ou de máquinas de produção, também pode ser implementada para um projeto específico. A capacidade de transporte exigida é usada para calcular o número de veículos necessários. Os fatores a seguir determinam quão ampla deve ser a frota de veículos para obter a disponibilidade suficiente para a utilização média do transporte, mas também abranger picos: n Volume do transporte n Condições do ambiente: comprimento das rotas de deslocamento e velocidades máximas de percurso para calcular o número de tarefas de transporte por hora e por rota. n Estações de carga: rotas, índice do tempo de carga em relação ao tempo de transporte. n Gerenciamento do pedido: proporção de viagens vazias. O resultado é o número de veículos guiados automaticamente e estações de carga necessárias, o qual por sua vez, é usado para determinar o tamanho da frota. Veículos com baterias de íon de lítio e contato automático são capazes de usar os intervalos entre os transportes para a recarga. Isto torna possível usar os AGVs durante 24 horas sem nenhuma interação do operador. Na operação de dois turnos, baterias de chumbo ainda são a solução que oferece o melhor retorno de investimento, contanto que o veículo seja equipado com acionamentos energeticamente eficientes e o fabricante do AGV garanta a operação em dois turnos sem recarga. O layout do armazém também influencia o tipo de navegação a escolher para o AGV. As possibilidades incluem a navegação por controle de navegação, por ponto magnético e a navegação por refletor, a qual é usada com mais frequência. A navegação por controle que usa somente as imediações como orientação para o veículo, não requer refletores em paredes, colunas e racks, como usados tipicamente para a navegação por laser. Tempos curtos de amortização na operação multi-turno Os veículos guiados automaticamente oferecem diversas vantagens: confiabilidade, segurança de processos e eficiência. O uso planejado é um importante fator decisivo . Especialmente na operação de dois ou três turnos, pode valer a pena para as empresas, pensarem na direção da automação, já que a amortização do investimento é muito atraente nesses casos. No entanto, aplicações práticas também podem ser encontradas na operação de um turno. Por exemplo, se o AGV permitir uma clara separação entre a logística e a produção, aumentando, assim, a qualidade da produção. Ainda assim, a única forma de prever confiavelmente os problemas com processos posteriormente, é criando especificações funcionais profissionais. A Jungheinrich terá grande satisfação em auxiliar no planejamento, concepção e implementação, como competente parceiro e fornecedor de soluções completas para AGVs. Foto: Jungheinrich www.jungheinrich.com.br Sobre a Jungheinrich A Jungheinrich está classificada entre as empresas líderes do mundo para os setores de equipamentos de processamento de materiais, armazenagem e movimentação de materiais. A empresa é um fornecedor de serviços de intralogística e de soluções com operações de fabricação, e oferece a seus clientes uma abrangente gama de caminhões de empilhadeira, sistemas de logística, assistência e consultoria. As ações da Jungheinrich são negociadas em todas as bolsas de valores na Alemanha. WORLD OF INDUSTRIES 19